SOBRE A VISIBILIDADE BISSEXUAL

SOBRE A VISIBILIDADE BISSEXUAL

Por Fernanda Coelho

whatsapp-image-2016-09-22-at-15-56-06
Guarda-Chuva Bi – tradução e imagem Diane Dias

Dia 23 de setembro é o dia Mundial da Visibilidade Bissexual. É dia da gente falar, dia da gente escrever, dia, como todos os outros, em que a gente segue na militância pelo direito de ser bissexual, de forma coordenada e com alcance cadim maior.

Neste dia, sem pretensões de exaurir o tema, queria falar um pouco sobre o que tenho visto neste tempo em que estamos na luta.

Bi nas Conferências Estaduais LGBT de MG

Em 2011 na 2ª Conferência Estadual LGBT de Minas Gerais eu fui a única mulher a pleitear uma vaga para a conferência nacional identificando-me como bissexual. Resultado: fiquei como segunda suplente. Mas houve três desistências de lésbicas e duas suplentes fomos chamadas, assim, uma mulher bissexual por MG participou da Conferência Nacional naquele momento.

Em 2015 na 3ª Conferência Estadual LGBT éramos mais, dividimos igualmente entre as identidades LBT as vagas reservadas para as identidades femininas. Éramos muitas. Chegamos mais fortalecidas. Ainda assim, neste processo foi preciso que dialogássemos com o Conselho Nacional LGBT para que o termo bifobia não fosse omitido nos documentos da conferência Nacional. Pediram para provar com pesquisas que a bifobia existe, enviei email com documentos comprovando sua existência e seu uso em documentos oficiais. Ainda que não fosse preciso, era algo de fácil realização. Em MG mesmo com duas bissexuais na comissão organizadora na ficha de inscrição entre as opções para marcar a orientação sexual não tinha “bissexual”, tínhamos, caso quiséssemos que marcar “outras” e preencher o nome da tal outra orientação sexual diferentona. Mas cobramos, brigamos e realizamos uma boa conferência.

Criação do Coletivo BIL

Neste ínterim, entre 2011 e 2015, muita coisa aconteceu. Tenho que destacar que neste período surgiu o Coletivo BIL – Coletivo de Mulheres Bissexuais e Lésbicas do Vale do Aço/MG, primeiro grupo misto realmente bi inclusivo. Para demonstrar que o coprotagonismo é real invertemos no nome a ordem usual e colocamos as bissexualidades a frente. Para demonstrar que precisamos avançar muito na visibilidade bissexual, o BI veio antes do L, e nos fizemos BIL, como outrora o movimento que se entendia GLBT mudou sua sigla para LGBT.

Movimento de lésbicas e mulheres bissexuais

Falando neste movimento que se constrói unido dentro da sigla LGBT, ao lado de valorosas companheiras, conseguimos mudar um pouco o cenário nacional do movimento de lésbicas e bissexuais.

Um momento marcante, sem dúvidas, foi o SENALESBI. Seminário Nacional que começou só de lésbicas – SENALE, mas sempre teve mulheres bissexuais em sua trajetória de luta.

Seminário que desde a 4ª edição temos relato de bissexuais que se colocaram enquanto mulheres bissexuais em suas falas. Que desde a 7ª Edição tinha em seu nome por extenso “Seminário Nacional de Lésbicas e Mulheres Bissexuais”, embora mantivesse a sigla original SENALE. Que a partir do 8º seminário pactuou que do 9º em diante na sigla também não nos apagaria mais, haja vista que aquele seminário em sua construção histórica optou por seguir enquanto um seminário de lésbicas e mulheres bissexuais e assim suas participantes, em sua maioria, queriam que continuasse sendo, como reflexo de tantos grupos e entidades que se constroem como de lésbicas e bissexuais Brasil afora.

O 9º SENALESBI teve em sua plenária final uma lavada de alma. Teve choro, teve debate, e teve a decisão coletiva de que a luta conjunta é mais profícua. E agora não foi apenas a maioria, foi quase a totalidade das mulheres pactuando neste sentido.

Ainda neste movimento que se constrói entre mulheres bissexuais e lésbicas, em MG a Rede de Mulheres Lésbicas e Bissexuais de Minas Gerais, que compomos, inicia hoje o 3º Encontro Mineiro de Mulheres Lésbicas e Bissexuais, pela primeira vez no interior, aqui em Ipatinga. Iniciando no dia mundial da Visibilidade Bissexual para encerrar o mês da visibilidade Lésbica e Bissexual, que começou no dia Nacional da Visibilidade Lésbica, dia 29 de agosto, e se encerra neste grandioso encontro, que mesmo em tempos de golpe conseguimos realizar no dia Mundial da Visibilidade Bissexual (vale repetir).

3emmlb
Cartaz do 3º Encontro Mineiro de Mulheres Lésbicas e Bissexuais

A militância conjunta com as lésbicas ainda carece de uma horizontalidade maior, mas estamos avançando no sentido de retirar as bissexualidades da subalternidade em que se encontravam. Estamos marcando a nossa diferença de modo que o entendimento de que as bissexualidades não estão diluídas nas lesbianidades vem se tornando mais forte. Avancemos mais!

Movimento Bissexual

Mas a militância bissexual vai além do movimento com as companheiras lésbicas. No Brasil este movimento vem se construindo desde os anos 2000.

Se o Coletivo BIL foi o primeiro grupo misto que tem preocupação com as pautas bi e lésbicas, no movimento que se faz exclusivamente bissexual, antes de nós, o Coletivo Bi-sides já era a referência nacional do movimento e colabora na ampliação da visibilidade bissexual por todo o país e fora daqui também.

Ações de Visibilidade Bissexual

Neste mês de setembro de 2016, em São Paulo, está sendo realizada pelo Organizativo Primavera Bissexual e Bi-Sides a Primavera Bissexual de SP. De setembro a novembro os sábados contarão com atividades voltadas para este tema. No dia 1 de outubro eu (Fernanda do Coletivo BIL) serei uma das pessoas presentes, ao lado de Regina Fachinni, Natasha Avital e, por Skype, Carol Queen em uma roda de conversa sobre a história do movimento bissexual.

Na internet campanhas como o uso das #soubiporque e #foibifobiaquando, ao lado de filtros com a bandeira bi para os perfis inundam as redes sociais de muito amor bissexual.

Por aqui e por aí temos feito rodas de conversa, biálogos, biqueniques, cinemas com debate, pregado lambes lambes, feito intervenções urbanas várias com a temática da bissexualidade unindo militantes bissexuais e de outras orientações sexuais, artistas, pessoas outras. Temos ocupado espaços das cidades e das institucionalidades também, espaços de controle social e de auxílio técnico militante (como vagas no Comitê Técnico de Saúde Integral LGBT de MG que possui assento para mulher e homem bissexual e respectivas suplências). Também temos tido êxito em impedir roubo de vaga bi por aqui…

Reações a setembro

Uma coisa interessante foi que jornais de grande circulação de Ipatinga, neste ano noticiaram uma ação pelo dia da visibilidade bissexual, quando jornais divulgam, quando rádios de grande alcance, como aconteceu em BH com uma entrevista que a militante Julie Soares da Rede Afro LGBT Mineira deu sobre a visibilidade bissexual, noticiam que existe um dia para a bissexualidade, falam das nossas pautas, é significativo, pois precisamos ampliar o alcance da nossa voz. Como no dia em que em uma novela da tv a atriz Giovanna Antonelli explicou, em horário nobre, o que era ser bissexual pra milhões e milhões de pessoas. Mesmo que para a imprensa ainda tenha sido um personagem “lésbico”. Mesmo que tantas outras personagens tenham cagado merda bifóbica.

O bacana é que a cada atividade, a cada fala, a cada conversa, a cada nota de jornal e notícia de rádio ao menos uma pessoa diz, ou pensa para si mesma, que passou a entender o que é a bissexualidade, que desconstruiu sua ideia de que bissexual era tudo safado, que entendeu que não era só uma fase, que não era gente que tinha que gostar igualmente de mulher e de homem (quando não conseguimos gostar igualmente nem da mesma pessoa em momentos distintos, se bobear!), que não era medo de se assumir, a gente vai avançando em um mundo em que ser bissexual é apenas mais uma face da existência humana (isso porque nem estou entrando no debate sobre o quão revolucionária a visibilidade bissexual é para desconstruir as opressões de gênero!). Em verdade, se cada uma dessas pessoas compartilhar essa impressão com uma amiga ou amigo, ninguém nos segura!

Ainda temos muitos caminhos a percorrer, mas estamos no rumo certo e ao lado de pessoas que fazem com que seja válido caminhar.

Isso era só pra dizer, pra você e pra mim: Feliz dia da Visibilidade Bissexual!

 

 

 

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s